Manaus, 25 de fevereiro de 2024

A primavera brasileira

Compartilhe nas redes:

Certamente, esta segunda década do séc. XXI tem demonstrado uma nova postura das pessoas no enfretamento dos problemas que afetam os interesses de determinadas classes ou grupos sociais. Uma boa prova disso são as ações organizadas por intermédio das conhecidas redes sociais, mais especificamente os tão popularesfacebook twitter, que constantemente mostram o seu alto poder de reivindicação e até de decisão diante das problemáticas sociais e políticas.

Uma análise adequada acerca do sucesso dessas redes virtuais é a observação feita sobre o grande poder de alcance e de organização que elas possuem. Hoje, uma enorme parcela da sociedade (de todas as classes) é usuária desses sites de relacionamento, o que termina transformando-os em uma poderosa ferramenta não só de informação, mas de interação imediata com a população de um lugar.

Exemplificando: o mundo assistiu recentemente a queda de ditadores no Oriente Médio e adjacências através de protestos articulados exatamente pelas redes sociais. Lá esse momento ficou conhecido como Primavera árabe. Agora, a mesma situação eclode no Brasil, até de forma massiva, em inúmeras cidades de todas as regiões brasileiras. O que se vê são centenas de pessoas (em sua maioria, jovens) ocupando as ruas e reivindicando principalmente uma mudança radical na postura política nacional. Alguns analistas começam a chamar esse fato de Primavera brasileira, numa comparação com o que aconteceu nos países de cultura árabe.

A juventude, que antes vivia mais receosa, agora encontra coragem e fortalecimento nos sites de interação social. Os jovens trocam informações, organizam-se e mobilizam multidões por meio da internet. Nas manifestações brasileiras as principais palavras de ordem são contra: a corrupção, o descaso com a saúde e a falta de respeito com a educação e com o transporte público.

O território brasileiro realmente começa a ficar “florido”. Essa nova estação retrata, portanto, o desejo de modificação do país e o prenúncio do nascimento de uma sociedade mais difícil de deixar seus sonhos serem podados precocemente.

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques