Manaus, 25 de fevereiro de 2024

Não falta confete e serpentina

Compartilhe nas redes:

Domingo passado alguns moradores de Copacabana, no Rio de Janeiro ficaram 12 horas sem luz elétrica. Mais especificamente no quarteirão onde mora Tia Idalina. Ela me conta, via whats app, que foi um caos.

Disse a titia que em  Manaus continuamos a ter problemas de abastecimento. Não só de luz, mas de muitas outras coisas. É comum faltar energia em algumas áreas da cidade. Muitos prédios possuem gerador próprio. Titia não permite que se fale mal de Manaus. Aliás, só admite reclamações de amazonenses.

A verdade é que sempre sofremos por falta de abastecimento regular de algumas coisas de vital importância. Ninguém esquece o drama vivido pela cidade durante a pandemia. Faltou oxigênio e o Brasil acompanhou a dramática situação vivida por nós aqui na cidade. De repente o consumo de oxigênio ficou quinze vezes mais alto em menos de dez dias!

Nos anos sessenta do século passado, antes da Zona Franca, sempre “faltava” algum gênero de primeira necessidade. As comadres logo ficavam sabendo que poderia faltar arroz. Então todos corriam para as mercearias e mercados atras do produto. As vezes o estoque estava até dentro da normalidade. Mas com o boato, as pessoas estocavam. E sempre faltava para os outros desavisados.

Na nossa casa na Henrique Martins tinha uma dispensa para guardar produtos não perecíveis. Numa família de sete filhos não pode faltar leite, por exemplo. Podia-se comprar leite in natura, vindo das fazendas do Careiro. Mas era muito irregular. Usava-se muito leite em pó. Era muito frequente o uso do leite condensado. Darinha, nossa empregada de toda a vida, chamava-o de leite condenado. Hoje há variedades de leite em pó com especificidades diversas. Alguns bebês precisam de determinado tipo de leite. Uns bastante caros por sinal.

Essa última seca foi dramática. O abastecimento na cidade ficou prejudicado. Desde a fim da pandemia começamos a sentir falta de alguns produtos. Mas recentemente, a coisa ficou mais complicada com a logística afetada pelos rios.  A estiagem não é uma novidade por aqui.

Todos os anos, no segundo semestre, há uma redução das chuvas. Daí ocorre a redução do volume de água nos rios. Isso complica a vida dos moradores e das empresas. No ano de 2023 a vazante foi recorde. A seca acabou impossibilitando parcialmente a  navegação pelos nossos rios. Os produtos que sofrem mais impacto são os alimentos, como arroz, congelados e resfriados. O cimento, metais e  cerâmica provocaram aumento na construção civil. Com a idade nos tornamos consumidores de alguns remédios de uso contínuo. Fiquei preocupado com a falta de um determinado remédio que me é imprescindível. Tia Idalina que veio do  Rio para o Carnaval, me trouxe cinco caixas. Um exagero.

Titia veio especialmente para prestigiar Mazé Mourão que como todos sabem é  a madrinha da BICA deste ano. Idalina trouxe um estoque de confete e serpentina do Rio. Também imprescindíveis para as folias. Bobagem! Jamais  faltou confete e serpentina no nosso carnaval!

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques