Manaus, 25 de fevereiro de 2024

Olha já! Dicionário Caboquês, de A à Z

Compartilhe nas redes:


*Floriano Ferreira da Silva

Continuação…

S

Sapecar – Tascar. Fazer algo de forma rápida e inesperadamente, de supetão. Ex.: Marta sapecou um beijo na boca do Marquinho que ele ficou todo errado. Obs. Pode-se dizer que sapecar é coisa de pessoa sapeca.

Sapo cururu – Sapo grande de pele enrugada. Há uma canção de ninar ou cantar para crianças que não estão querendo comer. “Sapo cururu da beira do jirau, pega essa criança que não quer tomar mingau”.

Sapopema ou sapupema – Parte do tronco de algumas árvores gigantes da Amazônia. São saliências que crescem dos troncos, como raízes que ficam fora da terra e muitas vezes servem de abrigo.

Saúba – Saúva – Formigas de grande porte que cortam as folhas de árvores e plantas, tornando-se prejudiciais para a agricultura.

Se abrir (na risada) – Dar gargalhadas.

Se acanhar – Ficar acanhado. Ficar com vergonha. Ex. – Parente, venha logo dar uma bocada aqui no boião, não se acanhe.

Se aculiar – Se aliar ou se juntar a alguém ou a um grupo para lutar por interesses comuns. Ex. – A melhor coisa que a gente pode fazer, é se aculiar logo com o pessoal da outra comunidade, porque se eles continuarem puxando prum (para um) lado e nós pro outro, num vai dar certo.

Se amigar – Viver juntos conjugalmente. – Hoje em dia o pessoal não se casa mais de papel passado, agora só querem se amigar.

Seboso ou Sebosa – Pessoa suja, que não tem bons hábitos de higiene.

Se coçou ou se coçar – Sentido figurado quando alguém da um jeito para conseguir dinheiro para pagar algo. Ex: Sábado à noite na festa da padroeira o Ronilson quis dar uma de barão (rico), pra se aparecer, deu um lance no leilão de um boi, depois teve que se coçar pra pagar a comunidade.

Se emprenhar pelo ouvido – Essa expressão estranha utiliza-se para fazer referências a pessoas que acreditam em tudo o que lhe dizem e tira conclusões precipitadas e toma atitudes incoerentes, sem antes procurar saber se aquilo que lhe foi dito é ou não verdade. Ex: O Jósimo é um camarada muito bacana, só tem um defeito: se emprenha pelos ouvidos.

Se estrompar – Se lascar, se dar mal.

Se gerando – Diz-se quando alguém está fazendo algo estranho: caretas ou ruídos e sons esquisitos. Ou seja, fazendo coisas que não costuma fazer.

Se invocar – Se indispor com alguém. Fazer marcação cerrada a alguém. Ex: A Tereza se invocou comigo, tudo o que eu faço ela põe defeito.

Se meter em bocão – Se meter em enrascada. Se meter em confusão. Ex: Tunico, aquelezinho, vai pra festa contigo, mas, cuidado para ele não te meter em bocão.

Se queixar – Se lamentar, reclamar de algo.

Se tacar – Exagerar em algo, geralmente na comida. Ex.: Hoje à tarde me taquei no mingau de banana amarela, que agora tô com uma bruta azia.

Se vendo de dor – Estar com muita dor – Caiu uma obturação do meu dente cariado, fui chupar um picolé, agora tô me vendo de dor.

Secuiara ou sucuiara – Diz-se do sintoma ou comportamento de apatia ou desânimo físico que o homem sente, quando há uma mulher grávida dele. Ex: Hein João! Tu viu (tu viste) o jeito que tá o Jofre? O homem anda todo borocoxô, meio sem ânimo, parece até que está com secuiara. – E tá mermo. Pois a filha do Adolfo num tá já prenha dele. – Ah! Cuirão, ninguém dá nada por ele, mas olha aí.

Sem pé nem cabeça – Sem sentido. Sem rumo.

Sem um puto – Sem nada de dinheiro. O negócio tá difícil, ainda não estamos nem na metade do mês e já estou sem um puto na carteira.

Sentar a comida – Fazer a digestão. Ex.: – Manel! Bora logo trabalhar! – Égua macho! Deixa pelo menos sentar a comida, terminei de pegar o boião agorinha.

Seu criado – Expressão que geralmente o caboclo acrescenta logo após falar seu nome, quando se apresenta para alguém.

Seu mano – Expressão e agrado, de intimidade, mas que é utilizada quando não se lembra ou não quer se dizer o nome da pessoa. Ex. Seu mano! Me dê (dê-me) uma ajudinha aqui pra eu carregar esse paneiro de mandioca. – É pra já parente.

Siima – Sem gosto. Insípido. Pô mãe! Tá discunforme já siima esse caldo de tambaqui, tá faltando alguma coisa além do sal. Acho que a senhora não botou coentro.

Sintina – Sanitário. Ex. Manozinho me diz onde já que fica a sintina, que eu estou discunforme apertado, tô doido para arriar o barro.

Siririca – Masturbação feminina.

Só deu pro dele – Expressão que indica quando alguém se deu mal em alguma coisa. Ex: O Pedrinho não quis jogar no nosso time, dizendo que só tinha perna de pau. Só deu pro dele, o time de bonzão dele, perdeu de goleada logo na primeira rodada.

Só deu pro teu – Veja “Só deu pro dele”.

Só do trisca – Expressão que indica que algo está “no ponto” “afiado”, da melhor maneira possível. Os curumins usam muito esse vocábulo para dizer que o cerol da linha de papagaio está ótimo ou também para dizer que o visgo para pegar o passarinho está no ponto. Ex. – Hoje não tem pra ninguém, vou trançar com todos os papagaios que aparecerem. Num tô nem aí, porque o meu cerol está só do trisca. 2 – Ontem eu peguei cinco passarinhos, o meu visgo estava só do trisca.

Só duma lapada – De uma só vez. Ex.: O Zeca filho do seu Faustino é bom de bico pra tomar cachaça, ele entorna um copo de 51 só duma lapada e nem faz cara feia.

Só duma trancada – De uma só vez. Ex.: Tordia eu tomei uma copada de cachaça só duma trancada, chega foi ardendo a minha goela.

Só na manha – Devagar. Com tranquilidade, sem pressa.

Só o cuí – Veja “Cuí”

Só tem arranque – Diz-se da pessoa que não é confiável. – O Joaquim? É só papo, na hora H, na hora do pega pra capá (capar) ele ou ela foge. Ele é fogo de palha, só tem arranque.

Solavanco – Balanço inesperado e violento. Ex: Ah! Píula! Tordia nós passemo (passamos) por um temporal que o motor balançava de todo jeito, dava cada solavanco nas redes, que só faltava arrancar da escápula.

Sonhar com criança – Dizem que aquele que sonha com criança está sendo ingênuo diante de uma traição.

Sonhar com merda – Dizem que é sinal que vai ganhar muito dinheiro.

Sonhar com piolho – Dizem que é sinal de morte na família.

Sonso (a) – Dissimulado (a).

Sopapo – Murro. Soco. Bofetão. Ex: Te cuida, anda na linha, porque comigo é no sopapo.

Sossegar o facho – Se quietar, Baixar a bola.

Só um tapa – Diz-se de algo que acabou muito rápido. O seu Sidinei da Big Lojas botou umas calças Jeans na promoção, foi só um tapa, não deu pra quem quis. Ex. 2- O bolo do aniversário estava tão gostoso que foi só um tapa, pessoal comeu na tora.

Sua graça – Expressão usada quando se quer saber o nome de uma pessoa, com quem está conversando. Ex. Desculpe, mas, qual a sua graça? – Em me chamo Joaquim Silva, seu criado. Ex 2: Parente, nós já tamo (estamos) se falando há um bocado de tempo e eu ainda não sei seu nome, como já então é “sua graça”? – Meu nome é Mario José Ferreira, SEU CRIADO. Com isso a pessoa está dizendo que está a disposição da outra.

Sussega! – Te quieta, te acalma. Ex: Marcelina! Traz logo a boia, que eu tô com fome, sussega homem, espere mais um pouco. Há uma piada, da moça que estava numa festa e um rapaz a convidou para dançar, ela respondeu: – Sussega! E ele voltou pro seu lugar, esperou um pouquinho e fez nova investida: – Vamos dançar?! E ela novamente respondeu: Sussega. Mas, ele insistiu e então ela foi dançar com ele. No primeiro passo ela pisou no pé dele. Quando ele reclamou, ela retrucou: Eu avisei: Sou cega.

Sussegado (Sossegado) – Em paz, tranquilo, calmo. Ex: Hoje eu não quero curumim me aporrinhando, quero comer sussegado.

Sussego (sossego) – Tranquilidade, paz, calmaria. Ex. Hoje eu não vou pra festa, vou me aquietar cedo, eu quero é sussego.

Sustança – Vigor. Ex. – Eu gosto de comer peixe com jerimum, beiju de tapioca, mingau de curueira, porque me dá muita sustança.

Suvaco – Axila. – Manozinho! Vai já tomar um banho ou, pelo menos, te assiar, teu suvaco tá discunforme fede.

Continua na próxima edição…

*Floriano Arruda. Comunicador de rádio, escritor, folclorista. Natural de Urucutituba/Am. Mantém programa radiofônico semanal que interage diretamente com o público na Rádio Panorama, de Itacoatiara. Membro efetivo da Academia Itacoatiarense de Letras.

 

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques