Manaus, 25 de fevereiro de 2024

Tango argentino

Compartilhe nas redes:

RobertoPompeudeToledo
*Roberto Pompeu de Toledo

“Esse é o ponto a que chegamos. Homens probos, e de bons serviços públicos prestados, tão, in limine, vetados. Os candidatos precisam ter em dia a carteirinha de bandido. ”

Se era inevitável o pedido de impeachment, o que foi apresentado na semana passada é o menos pior para a presidente Dilma Rousseff. Veio pelas mãos suspeitas do deputado Eduardo Cunha e ofereceu à presidente a oportunidade de confrontar sua ficha pessoal com o prontuário do deputado. “Não paira contra mim suspeita de desvio de dinheiro público, não possuo conta no exterior nem ocultei a existência de bens pessoais”, disse. Se era inevitável para os anais do país que um pedido de impeachment viesse a recair outra vez sobre um ocupante da Presidência, na curta vida da Nova República, veio da pior forma. Ficará registrado para a história que o deputado responsável por desencadeá-lo o fez por vingança e pelo desejo de embaralhar o jogo, em causa própria. Dito isso, está dada a partida para o verão da nossa desesperança, ao fim do qual: 1 Dilma é impichada. O vice Michel Temer assume e com ele chegam Renan, Sarney, Jader Barbalho. Jucá, Lobão, os generais da banda do nosso tão conhecido e inevitável PMDB. Das bordas do governo eles deslizam para o mais central dos centros, e implicados na Operação Lava-Jato ficarão ainda mais representados no governo do que já estão. O último ato de cinismo do PMDB foi lançar um programa de governo tão auspicioso quanto situado a quilômetros de distância da política tal qual é praticada pelo partido. Nos diários recentemente publicados há um momento em que o presidente Fernando Henrique Cardoso teme a eleição de Paulo Maluf como seu sucessor. “Eles (Maiuf e seu partido) não têm projeto. Então pegarão o nosso e o deturparão”, comenta FHC. O que o PMDB fez foi apropriar-se de projeto que não é seu (mesmo porque nunca o teve) e vesti-lo como fantasia para forçar a entrada no baile.

2 Dilma se salva do impeachment. Será uma memorável vitória, maior ainda, depois desses meses todos de agonia, do que a vitória eleitoral. E uma presidente incompetente, arrogante, ancorada num partido sob cuja batuta orquestrou-se o maior esquema de corrupção já desvendado no país, ganhará novo fôlego, capaz até de encorajá-la a retomar velhos e equivocados caminhos que por fervor ideológico adotou no primeiro mandato e que pela dura realidade dos fatos foi forçada a abandonar nos últimos meses. O grito de “Não passarão” que hoje os petistas entoam contra o impeachment explodirá numa festa triunfalista.

Para maior infelicidade do país, tais cenários ocorrem num momento de falência das instituições. “Apesar de tudo, as instituições funcionam” tem sido o imprudente mantra a nos consolar das infelicidades dos últimos anos. Na verdade funciona a Operação Lava-Jato, assim como funcionou o Supremo Tribunal Federal no mensalão e voltou a-funcionar nas prisões recentes de um senador e um banqueiro. O Congresso não funciona, a Presidência não funciona, o ministério não funciona. Quando começaram as especulações sobre possíveis sucessores de Eduardo Cunha na presidência da Câmara e entre os nomes possíveis foram incluídos os dos deputados Jarbas Vasconcelos e Miro Teixeira, a colunista Eliane Cantanhêde escreveu que não, esses não – são “excelentes demais”. Esse é o ponto a que chegamos. Homens probos, e de bons serviços públicos prestados, estão, in limine, vetados. Os candidatos precisam ter em dia a carteirinha de bandido.

O próprio Tribunal de Contas, tão festejado como vigilante perseguidor de pedaladas, não foge à regra. Na semana passada reelegeu Aroldo Cedraz para sua presidência. O filho de Cedraz é investigado na Lava-Jato por tráfico de influência junto ao tribunal. Qual a saída? Infelizmente, de seu modesto ponto de observação, este colunista tem a informar que a saída é a mesma anunciada por Manuel Bandeira no poema Pneumotórax:

“Febre, hemoptise, dispneia e suores noturnos.

A vida inteira que podia ter sido e que não foi, Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico: – Diga trinta e três.

– Trinta e três … trinta e três … trinta e três …

– Respire.

– O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.

– Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?

– Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino”.

 *Jornalista. Articulista da Revista Veja. Texto na edição 2455, de 9/12/2015.

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques