Manaus, 25 de fevereiro de 2024

ZFM, para além da Reforma Tributária

Compartilhe nas redes:


*Nelson Azevedo

conquista, sem esquecer que seguiremos com o pé na estrada de defesa da Segurança Jurídica. Tudo apenas recomeça, portanto. Afinal, momento é de celebrar a vitória alcançada, sabendo que o Ano Novo começa e com ele as discussões políticas para a regulamentação da Reforma Tributária, com debates novos e abrangentes que vão demandar esforços conjuntos para transformar as conquistas legislativas em ações efetivas.

Em plena pandemia, o Congresso Nacional pautou duas alternativas de Reforma Tributária. A indústria da Zona Franca de Manaus, em lugar de seguir a instrução do isolamento, foi à luta. Afinal, tínhamos uma autoridade econômica que, explicitamente, queria descontinuar nosso programa de desenvolvimento regional. A mobilização evitou. Não apenas isso. Conquistou seu lugar na Reforma ocorrida na histórica noite de 15 de dezembro de 2023.

Regiões remotas

A Câmara dos Deputados, a despeito de tantas discordâncias, aprovou o texto final da Reforma do Sistema Tributário Nacional, marcando um passo significativo rumo ao fortalecimento e à diversificação do desenvolvimento econômico do país, com especial atenção às regiões remotas, ou seja, as mais afastadas dos centros urbanos mais densos e consumidores como a Amazônia.

Campo com árvores

Descrição gerada automaticamente

foto: de Carolle Alarcon

Competência e compromisso

Registramos aqui o comprometimento, a competência e habilidade de negociação do senador Eduardo Braga (MDB-AM), relator da reforma no Senado que, com apoio de seus pares, foi possível chegar a um consenso que dispensou a necessidade de mais debates, atrasos e dispersões. Assegurando nova legislação tributária, que é particularmente promissora para a Zona Franca de Manaus, a RT reflete um compromisso regional com o crescimento sustentável e a interiorização do progresso econômico por parte do Congresso Nacional. Com segurança jurídica podemos, doravante, cumprir nossa parte com tranquilidade e resultados significativos à luz do interesse público.

Três pilares

Com a preservação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) até 2073, estabelecendo alíquotas zero a partir de 2027, foram resguardadas as exceções que protegem a competitividade industrial da ZFM. Além disso, um tratamento tributário favorável e diferenciado para contribuições sobre bens e serviços, garantindo vantagens competitivas para a região. Adicionalmente, a criação de um fundo dedicado à sustentabilidade e à diversificação econômica do estado do Amazonas, assegurando um futuro robusto para a região a partir da economia local.

Homem de boné e óculos escuros

Descrição gerada automaticamente com confiança baixa

Valeu a pena

Esses pilares, essenciais para a manutenção da competitividade da Zona Franca de Manaus, são frutos de estudos, debates, viagens cansativas e tentativas de interlocução e integração em todos os níveis, afinidades e direitos. Estes propósitos foram levados a efeito pelas entidades de classe e demais atores comprometidos com os acertos e avanços da ZFM. O resultado alcançado revela que valeu a pena toda essa movimentação.

Apesar dos eventos extremos do clima, temos razões para celebrar essa conquista, sem esquecer que seguiremos com o pé na estrada de defesa da Segurança Jurídica. Tudo apenas recomeça, portanto. Afinal, momento é de celebrar a vitória alcançada, sabendo que o Ano Novo começa e com ele as discussões políticas para a regulamentação da Reforma, com debates novos e abrangentes que vão demandar esforços conjuntos para transformar as conquistas legislativas em ações efetivas.

Bioeconomia, o desafio

Com a proteção constitucional contrapartida fiscal, o polo industrial de Manaus está agora em posição de liderança na produção de bens que atendem às crescentes demandas de mercado em setores como nutrição integrada, dermocosméticos e farmacopeia baseada nos princípios ativos florestais.

Bioeconomia é o novo desafio. Este desenvolvimento, como nunca, estará alinhado com a capacidade instalada da indústria local e ao imenso potencial da biodiversidade regional. A nova legislação tributária abre caminho para um modelo de negócios que respeita as leis de proteção ambiental e promove o manejo sustentável dos recursos naturais, alinhando crescimento econômico com conservação. Como temos feito.

Frutas em árvore

Descrição gerada automaticamente

Primeiro as coisas primeiras

A criação de um fundo de sustentabilidade, e diversificação industrial do Amazonas, é fundamental para direcionar o desenvolvimento econômico da região na diversificação industrial com as iniciativas empreendedoras dos programas prioritários da Suframa que fomentam bioeconomia, inovação de base tecnológica, com investimentos em infraestrutura e qualificação dos recursos humanos. Primeiro as coisas primeiras, dizem os sábios. Crucial para a eficácia deste fundo é a participação ativa da indústria no Conselho Gestor, um aspecto agora assegurado pelas mudanças constitucionais.

Texto

Descrição gerada automaticamente

Suframa Bioeconomia Indústria Zona Franca de Manaus fiscal Algacir Polsin reforma tributária ZFM

Prédio da Suframa (Crédito Cláudio P Machado)

Gestão compartilhada

A presença da indústria no Conselho é vital para garantir que os recursos sejam aplicados de maneira que priorize a estruturação tecnológica avançada e a qualificação técnica da juventude local. Este enfoque alinha-se com a necessidade de adaptar a economia regional às demandas do mercado global, mantendo-se fiel às suas raízes e vocações para a sustentabilidade.

Nos últimos 20 anos, cabe recordar, a indústria recolheu o equivalente a diversos fundos de sustentabilidade e diversificação. E esses fundos, em sua maioria, foram destinados a outros fins, incluindo custeio da máquina pública. Isso representou a supressão de benefícios previstos em leis e regulamentos que orientam tais fundos. São danos acumulados, irreversíveis e que não podem ter continuidade.

A interiorização do desenvolvimento não pode ser apenas uma expansão geográfica e assistencialista. Precisa ser um salto qualitativo na geração de empregos que respeitem a vocação regional e impulsionem a transformação econômica do Amazonas. A integração de práticas de manejo sustentável e o uso consciente da biodiversidade regional serão a chave mestra para criar um modelo de negócios que seja viável e de longo prazo.

*Economista, empresário e presidente do Sindicato da Indústria Metalúrgica, Metalomecânica e de Materiais Elétricos de Manaus, Conselheiro do CIEAM e vice-presidente da FIEAM.

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques