Manaus, 25 de fevereiro de 2024

Está com pena?

Compartilhe nas redes:

O Brasil inteiro comenta a prisão dos mensaleiros, mas ainda tem gente que lamenta esse desfecho que deveria ser usado como “ponto de virada” na vida moral e ética do Brasil que foi transformado por este grupo em um país canalha. No muro das lamentações a maioria é dos que choram pelo mensaleiro condenado Jose Genoíno que a mídia informou ter se submetido, recentemente, a uma cirurgia cardíaca. O que não se comenta é que esse procedimento não foi feito em Hospital Público de sua terra natal (Quixeramobim, CE). Tudo foi feito em São Paulo, em um caríssimo Hospital de Excelência e na equipe que o atendeu não constava nem um médico cubano. Quem pagou?

GENOÍNO E A DITADURA

No tempo do regime militar José Genoíno e seus parceiros (entre os quais Dilma Rousseff) constituíram um grupo de guerrilha, financiado ninguém sabe por quem, cujo objetivo era derrubar a ditadura (excelente objetivo) e tomar o poder (objetivo no mínimo discutível). Como o fim da ditadura não precisou da luta armada, o grupo se organizou para chegar ao poder pelo voto e, depois de algumas tentativas conseguiu eleger Lula e Dilma/Lula. Com o poder na mão ampliaram o objetivo para a perpetuação no poder, seguindo o modelo dos irmãos Castro (Cuba) e Hugo Chaves (Venezuela), mas como esse projeto é muito caro, o jeito foi desviar recursos públicos cujo efeito colateral foi a dramática destruição dos serviços públicos e a deterioração da ética na politica.

ESQUECIMENTO E BURRICE

Os defensores do mensaleiro condenado querem fazer o povo ignorar ou esquecer que a roubalheira do dinheiro público causou a morte de milhares de pessoas, algumas das quais com a mesma doença de Genoíno e que não tiveram sequer um médico boliviano, ou venezuelano ou cubano para tentar “adivinhar” a causa e a solução do problema. Genoíno não pode ser considerado um preso politico, mas um preso comum emblemático e a prisão domiciliar (isto é prisão?) é uma afronta aos pobres que morreram por falta de assistência médico-hospitalar (condenados à morte) e foram enterrados em covas rasas (prisão provisória) porque muitas famílias não tiveram dinheiro para comprar a sepultura (prisão perpétua) para os entes queridos e perdidos para sempre.

AGORA É NELE

Os mensaleiros presos estão alegando humilhação por terem uma cela sem conforto e um sanitário onde são obrigados a fazer cocô de cócoras. Na realidade, essa humilhação nem se compara à das mulheres que, depois de esperar longas horas e dias para serem atendidas, acabam parindo seus filhos no chão das salas de espera, na frente de todo mundo. Humilhação terrível sofrem os pais chamados ao IML ou à policia para reconhecer o corpo de seus filhos adolescentes ou para tomar conhecimento de crimes praticados por seus filhos ou filhas menores imputadas (opa!) no crime de prostituição.

Cela (casa) pequena, banheiro horroroso, comida de qualidade duvidosa só é humilhação se o governo aceitar que é responsável por essa condição humilhante que impõe a enormes contingentes da população brasileira. Ficar na fila para receber a “boia” da prisão não é uma humilhação tão grande quanto à das pessoas que, na fila do SUS, clamam por socorro médico para seus filhos e filhas agonizantes.

Os defensores dos mensaleiros querem que tudo vire prisão domiciliar, multa, serviços para a comunidade, etc., para, quando passar esse momento e houver um aumento na remuneração do “bolsa esmola” e começar a copa do mundo (pão e circo), os mensaleiros serão esquecidos e, com recursos próprios, construirão prisões no quintal de suas mansões com piscina, heliporto, saídas em várias datas, sendo obrigados a permanecer presos durante apenas uma semana por ano.

Ainda bem que aqui no Amazonas a classe política não corrompe e nem é corrompida.

NOTA. Um grupo de pessoas com poucos neurônios funcionais anda bradando contra o uso de animais em pesquisas farmacêuticas, e no ensino de práticas médico-cirúrgicas. Três questões brotam dessa disfunção mental: 1) quando essas pessoas são infestadas por parasitas ou infeccionadas por microrganismos correm para o médico em busca de uma droga qualquer para matar os parasitas e os microrganismos. Qual o limite do respeito aos organismos?; 2) quando essas pessoas precisam de cirurgia exigem médicos bem treinados. Onde? Como?; 3) Será que os experimentos farmacêuticos e práticas de ensino médico (essenciais) devem ser feitos nos pacientes do SUS que foi sucateado pelos mensaleiros? Está com pena dos mensaleiros? Então usa o posto de saúde e matricula os filhos em escola pública.

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques