Chinese (Simplified)EnglishGermanItalianPortugueseRussianSpanish
Manaus, 8 de agosto de 2022

Penso, logo escrevo

Compartilhe nas redes:

No dia 25 de julho de 1960 realizou-se o Primeiro Festival do Escritor Brasileiro. O evento foi organizado pela União Brasileira dos Escritores. Na época a UBE era presidida por João Peregrino Júnior e Jorge Amado. A partir desse evento e nesta data se comemora o Dia do Escritor Brasileiro. Em outros países os escritores são homenageados em 13 de outubro, data conhecida como o Dia Mundial do Escritor.

Parafraseando Descartes: Penso, logo escrevo. Eis aí a grande responsabilidade de quem escreve. Pensar. Antes de escrever o escritor contempla as paisagens, ouve os sons do mundo e das pessoas, e em consequência disso, pensa.

Percebo que através do pensamento criamos e desenhamos aquilo que vamos escrever. Nem tudo que pensamos torna-se algo escrito. Mas tudo que já escrevemos foi pensado antes. Daí a importância em bem selecionar os pensamentos que se tornarão escritos.

Pode-se pecar em pensamentos, palavras e obras. Quando se escreve algo ruim, pecaminoso e abominável comete-se pecados nos três níveis. Ora, sendo o pensamento um produto da mente, pode surgir mediante atividades racionais do intelecto ou por abstrações da imaginação. Os meus melhores escritos são abstrações da minha imaginação. Principalmente quando faço literatura, ao escrever contos ou crônicas. Já no papel de operador do direito os pensamentos devem ser baseados na cientificidade e procuram as áreas racionais do intelecto.

Contudo as abstrações da imaginação são mais prazerosas. É quando escrever se torna um deleite. Mas não é nada fácil. Enquanto os pensamentos voam as palavras nem sempre se adequam as abstrações. Daí temos que escrever e reescrever.

Nosso pensamento ao ser transportado para o papel se torna realidade. Eis a nossa grande responsabilidade. Ao pensar e criar uma realidade podemos atrair leitores. E como uma roda dentada que vive girando, provocar pensamentos. O papel principal do escritor é fazer pensar os que podem e gostam de pensar.

O certo é que a atividade principal do escritor é o ato de pensar. Antes de escrever sempre há que se refletir ou meditar. É preciso também ser capaz de combinar e comparar os fatos e as coisas da vida.

Nesse mês do escritor o meu convite é para que se pense em coisas boas, produtivas. Pode-se e devemos usar a escrita para desacomodar, instigar, alertar e até denunciar. Mas devemos fazer isso com elegância. Sejamos mais humanos. Vamos ter pensamentos alegres. Sejamos tolerantes. Vamos nos despir de ódios e recalques.

Penso. Logo escrevo. Com açúcar e com afeto.

Compartilhe nas redes:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ÚLTIMAS POSTAGENS

COLUNISTAS

COLABORADORES

Abrahim Baze

Alírio Marques